segunda-feira, 2 de março de 2009

Já o amor é um cristal cigano.

A amizade é feita de lâmpadas. Os amigos são um apartamento.

Aos dezesseis anos temos várias lâmpadas mas nenhum apartamento.

Aos trinta anos temos um apartamento mas poucas lâmpadas.

E o que dizer desses meus vinte e quatro anos? Acho que apenas posso dizer que semana passada três lâmpadas queimaram e não comprei lâmpadas novas até hoje.

Fico trocando de peça em peça a luz que preciso e pensando se um dia não ficarei no escuro.

Sei que o amor não basta. Amor é amor. Amizade é amizade.

Dizem que amizade é uma forma de amor. Mas não é.

Amizade é reconhecimento. Amor é puro desconhecido.

Amizade é admiração. Amor é querer ocupar o mesmo espaço ao mesmo tempo.

Talvez por isso eu tenha medo de amar e também tenha medo das amizades. E talvez por isso também tenha tantos amigos e tenha um amor muito grande perto de mim, embora certas sombras façam danças de luzes quando fecho os olhos.

Sei que hoje, antes de dormir, irei ler um livro e pensar no meu amanhã preguiçoso com olhos felinos mas tristes.

E não quero demorar pra dormir.

Ao contrário, quero que a lâmpada, mesmo sem meus dedos no interruptor, aos poucos vá se apagando. Se ela queimar, será o reconhecimento do meu sono para que eu possa enfim conhecer o desconhecido que em mim sou.

Quero também fechar os olhos com a calma de uma página alemã manchada de chá e mar. E quero que tudo isso amanheça como se toda luz viesse apenas de uma estrela.

Quanto ao amor?

Talvez ele seja o dia. Ou noites iluminadas

Mas talvez o amor seja apenas um talvez. Viagem de mala sem dono. Explosão do que é um passado presente no futuro.

Por isso acho que a amizade é um diagnóstico.

Já o amor é um cristal cigano.

7 comentários:

pensar disse...

Nossa!!!Sem fala para teu texto.Simplesmente demais e me deixa pensativa e quieta.
Eu que dou um imenso valor aos amigos e cultivo a amizade como se fosse a maior preciosidade do mundo, e com certeza 'e.So quem se sente sem amigos(como um nomade, ou cigano, ou um estrangeiro) sabe o valor da amizade.Lembrando que o sentir nem sempre corresponde a realidade.
Para mim sao formas de amor.E amor recompensa, mas despende tempo, coragem e cuidado.
Bjs

Joice Nunes disse...

o amor pra mim é feito aquele filme "império dos sonhos", do lynch: eu entendo muito pouco, mas vibro com o que ele tem de mais misterioso, que não consigo encontrar nas dobras da tela.
(teu texto é um lindo deslindar, um delicado passeio pelo fio invisível que existe entre essas relações de amoramizade)
...
um abraço.

glória disse...

o amor é um cristal cigano, que nem cabe num apartamento. Quando olho do décimo primeiro andar o mundo daqui de cima, vejo amores em disparada varando os ventos. amor é fora de invólucro, é trans-lugar, é derramamento. amizade é uma forma de amor que aguenta um armzenamento, consegue ocupar um lugar. amor nào, é uma correnteza, uma pluma que voa e nào se sabe onde vai parar, é desejo de ficar enlaçado e o mundo ali acabar.O medo de amar é o mesmo de se deixar levar e de ir parar noutro lugar. Você ama, e muito. Embora as sombras emitem com as màos bichos de florestas, seres que saltam e turvam a imaginaçào.
Teus escritos me trazem amor em cada ponto da pele, passagem de sentimentos que guardei e que fincam suas marcas em luagers que nem sempre sei. Teu texto fala de mim porque também creio que o amor é um cristal cigano. Teu texto é mais belo que as finas jóias que adornavam as princesas mais ricas e encantadoras. Eu ouço os ventos, mesmo que o escuro me tape os olhos. eu sou de cristal. você reluz. bjs

Biba disse...

Du, só posso dizer que queria escrever horrores sobre seu texto, mas hoje não há tempo. Fiquei pensando sobre a amizade que para mim sempre foi um jeito de amar...
Beijo,
Carpe Diem!!!

Adri Antunes disse...

uauu, coisa mais linda esse seu texto, Du! amor e amizade? quer saber o que penso? que não acredito no amor, não mais, acho que o existe ou é paixão ou é uma amizade super profunda que me consolará pra sempre. cinza o que eu digo? talvez, mas acredite, amizades verdadeiras, aquelas "lâmpadas" de alcalinas, essas nunca se apagam, no máximo vão iluminar outros recantos, já amores vem e vão. temos os relacionamentos amorosos que precisamos naquele momento, quando algo se cura, ele parte. é a vida! filosofia de uma balzaquiana!!

a propósito, estou ficando mto mal acostumada com seus comentários tão lindos no meu blog! ehe, obrigada!
bjimm

Antonio disse...

Se um dia a minha lampada chegar a queimar, não quero que você simplesmente substitua por outra de mesmo ou parecido valor, ou então fique trocando de sala para outra como presenciei você fazendo. Quero que utilize uma vela de cera, feito o que é o que acredito que somos meu ermão... por mais que eu e você "queimamos" igualmente e, pouco nos restará, ao menos saberemos que a nossa luz NUNCA foi artificial!!! Abraço.

tagg disse...

eu queria ter mais amor. para amar amores e amizades, bichos, planta, coisa, tudo. queria umas asas grandonas pra poder aninhar matéria e memória. na minha veia os sentimentos de simpatia se confundem. sei que quero mais sentimento e mais confusão. viver a frio não sou eu.