sexta-feira, 29 de maio de 2009

Uma Roseira.*

Uma roseira cresce
nas grades brancas da casa
há tempos abandonada.

Ninguém lhe priva de espinhos
ou constrange suas flores
ao apanhar cirandas
no que verte dos cheiros.

Ninguém lhe furta espaço,
ninguém lhe toca ou lhe nota,
e ela, vermelha e verde,
pinta um abraço morno
com tintas lisas e fêmeas.

Mas um dia os dias
irão lhe cobrar razões,
irão lhe tomar perfumes,
irão lhe render estufas,
e ela, vermelha e verde,
não mais será a dona
dos donos mortos da casa
há tempos abandonada.

*Sou viciado em casas abandonadas. A imagem simplesmente me remete a tanta coisa que nem sei o que falar nesse comentário. Hoje queria escrever sobre como consegui algumas comprovações acerca do Princípio da Sincronicidade do Jung ou sobre a razão do último poema aqui postado ter sido dedicado ao Guido Emmel. Entretanto, remexendo alguns escritos antigos, coisa de cinco anos atrás, achei esses versos dando sopa e cheguei a conclusão de que os mesmos seriam mais do que apropriados para este final de maio no qual o frio finalmente chega por esses lados do sul do Brasil. Além disso, estou tremendamente chateado por meu artigo semanal ter saído sem algumas palavras-chave em um jornal aqui da cidade. Porém, perfeição é a última coisa que se pode pedir de mim – quanto mais após essas taças de vinho que me atiçam a mente mas me deixam o corpo no ponto do sono. Por isso, PONTO FINAL. Ah, e com certeza essa fotografia aí em cima veio de Portugal. Só não me perguntem porquê.

5 comentários:

Cezar Lopes disse...

Tchê, tu já viste o blog

"consoantes reticentes"?

Tem o link no meu blog.

Tá certo, ele é profissional, mas, tu verás que é muito semelhante à nossa forma de ver o mundo e de descrevê-lo!

Dê uma olhada! Afinal, é de graça e, tu vais gostar.

Juliana disse...

Caro Dr. Frizzo
Andei um tanto quanto afastada de sua página virtual, tudo por conta do corre-corre diário. Uma maratona interminável de trabalho e mais trabalho.
Mas já que retornei resolvi comentar e informá-lo que andei "surrupiando" uma frase de um de seus textos, mas não se preocupe, citei a autoria.
Grande abraço!

pensar disse...

Oi Edu,
Lindas flores precisam de movivento, a vida eh movimento.Fica minha curiosidade em tuas constatacoes q disse.....
E ja to congelando, acho q me falta vinho.
Bjs

Eduardo Matzembacher Frizzo disse...

Sinta-se à vontade para as citações, Juliana. Mas afinal, quem é você? Conheço tanta gente que por nome assim, logo de cara, não faço idéia da sua pessoa. Então, por favor, apresente-se! Quanto ao Cezar, obrigado pela dica do "consoantes reticentes". Muito bom o conteúdo mesmo. E quanto à Mari, doce como sempre, nem há o que falar - só que com certeza a enologia é o único esporte viável no inverno gaúcho. Um abraço para todos!

Juliana disse...

Dr. Frizzo
Creio que fomos apresentados há alguns anos atrás, quando frequentávamos os bancos acadêmicos na condição de estudantes. Para dizer a verdade, mais os bancos do "Bar da Tia" do que os do IESA.
É a Ju Zatt querido.
Beijos.